A participação do cidadão na gestão pública municipal: Uma parceria que rende bons frutos!

   Muito se fala sobre a democracia no Brasil, mas até que ponto os cidadãos participam ativamente da gestão das suas cidades?

  Estamos nos aproximando do final do ano de 2017 e sem dúvidas podemos dizer que esse não foi um ano típico, muito menos fácil. As crises econômica e política brasileiras foram assunto durante o ano todo e mostraram ao país o quanto a situação vivenciada ao longo do tempo causou um cenário nebuloso de incertezas para os próximos anos.  

   É neste cenário que se inicia 2018: apesar das conturbações, pode-se dizer que é um ano promissor, uma vez que haverão eleições presidenciais. Para muitos, pode ser a esperança de mudança na conjuntura brasileira. É esse o momento para a população decidir o melhor político, partido e ideais para representá-la pelos próximos quatro anos.

   Apesar disso, é necessário frisar que o dever democrático vai além do voto. Após o período eleitoral e  durante o mandato dos políticos, você sabe como pode continuar exercendo o seu papel e garantindo os seus direitos?

   Em novembro de 2011 foi sancionada a Lei de Transparência, que permite ao cidadão a disponibilidade de informações detalhadas sobre a execução orçamentária financeira da União, Estados e Municípios do país. A ideia é estreitar a relação entre cidadão e poder público, criando canais onde a população possa ter acesso a dados que, até então, não eram do conhecimento de todos. Além disso, o cidadão deve ser ouvido e ter sua opinião considerada na hora das tomadas de decisões.

   A participação popular é importante para uma gestão pública mais eficiente!

   É notório o crescimento da participação do cidadão nos processos de elaboração, gestão e avaliação das políticas públicas. Em diversas cidades brasileiras, a população não se sente mais satisfeita em ser passiva frente às decisões dos seus governantes e tem efetivamente participado da administração pública, seja através de opiniões, solicitações de melhorias nas ruas ou efetiva presença no processo de desenvolvimento e aprovação das leis.

   Os canais de comunicação entre população e poder público são diversos. Variam desde os mais tradicionais, como ir até às sedes públicas, telefones e ouvidorias através de ligação até o e-mail e as redes sociais. Apesar das prefeituras, de maneira geral, estarem buscando a modernização nos canais de relacionamento, ainda falta eficiência no atendimento público brasileiro, o que os torna pouco práticos, gerando insatisfação por parte do cidadão.

   Buscando solucionar esse problema, a Lemobs desenvolveu o SIGELU, sistema capaz de otimizar através de um contato rápido e eficaz, a comunicação entre o cidadão e o setor público.

   O processo de comunicação se torna bem simples com o SIGELU: o cidadão pode registrar uma solicitação (que pode ser a troca da lâmpada de um poste, poda de árvore ou conserto de um buraco na via, por exemplo) e o setor responsável por resolver a solicitação a recebe. Após isso, o cidadão passa a acompanhar o status da sua solicitação até que ela seja resolvida. Fácil, né?

   A Lemobs acredita que para uma cidade se tornar cada vez mais inteligente, a participação da população é essencial!

   Saiba mais sobre nossos produtos e projetos, acesse:

   https://www.youtube.com/watch?v=MCw1Yr5NPtY

   Saiba mais sobre a Lei da Transparência:

   Lei da Transparência:

   http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/Lei/L12527.htm

   Portal da Transparência:

   http://www.portaldatransparencia.gov.br/controlesocial/

 

Veja mais

Fechar Menu